sexta-feira, 21 de dezembro de 2012



CHEGOU O INVERNO

Velho, velho, velho
Chegou o inverno.

Vem de sobretudo,
Vem de cachecol,

O chão onde passa
Parece um lençol.

Esqueceu as luvas
Perto do fogão:

Quando as procurou,
Roubara-as um cão.

Com medo do frio
Encosta-se a nós:

Dai-lhe café quente
Senão perde a voz.

Velho, velho, velho.
Chegou o inverno.

Eugénio de Andrade (1923 –2005)

sábado, 1 de dezembro de 2012

 


Receita para fazer um bom aluno
Ingredientes:

Entusiasmo — 500kg;

Motivação - 1 tonelada;

Cadernos diários -  q.b. (quanto baste)

Material didático – q.b.

 Assiduidade — 100 pás;

Estudo diário – 1 tonelada;

Leitura clara – 200 chávenas de chá;

Escrita correta – 1000 litros;

Empenho – 1 tonelada;

Participação – 1000 litros;

Organização e concentração – 2000 colheres de sopa.
 



Preparação
         Unte, com muito entusiasmo e motivação, o início do ano letivo e forre-o, depois, com os cadernos diários e todo o material didático necessário para cada uma das disciplinas.
         Junte os trabalhos de casa, a assiduidade e o estudo diário para uma refeição mais saborosa. Adicione uma leitura clara e uma escrita correta. Depois polvilhe o empenho, a participação e a organização. Envolva tudo muito bem e comece a cozer, mas sempre a vigiar com atenção. Depois, com a máxima concentração, não deixe desenformar nada.
         Finalmente, depois de saborear a refeição, já pode repousar e aproveitar o Verão.


David Cruz, nº9, 8ºC
 
 
 

Receita para fazer um bom aluno II

Ingredientes:

- 300 g de cadernos diários;
- 100 g de empenho;
- 150 g de manuais escolares;
- participação q.b.
- 3 colheres de trabalhos de casa;
- 4 pitadas de organização;
- 2 chávenas de estudo diário;
- 85 g de leitura;
- 5 colherzinhas de concentração;
- 0,5 l de escrita;
- comportamento q.b.
- 30 g de assiduidade.

Modo de preparação:

 Numa tigela, deite os cadernos diários, faça uma pocinha e dentro dela coloque os manuais escolares e três colheres de trabalhos de casa.
 Misture tudo à medida que se vai deitando duas chávenas de estudo diário.
 Junte a leitura à mistura e a escrita batida em castelo.
 Adicione a assiduidade aos poucos e envolva o preparado com empenho. Unte uma forma com a participação necessária.
 À medida que vai despejando a mistura, vá acrescentando quatro pitadas de organização e cinco colherzinhas de concentração.
 Leve a cozer a 180º durante o tempo necessário até começarem as férias.
 Desenforme o cozinhado e reparta-o em pequenas porções.
 Deixe repousar o verão inteiro.
 Sirva-o enrolado, recheado com autonomia e responsabilidade e em seguida polvilhe-o com comportamento e respeito.
   Bom apetite...
Tiago Gonçalves, nº25, 8ºD
 
O Planeta Terra em 2110
Em 2110 terei 110 anos, já serei velhinho e, ao longo do tempo, irei envelhecendo como o Planeta Terra. O Planeta Terra irá envelhecendo, mas só de idade, pois tudo o que é velho ficará novo. A ciência será quatro vezes melhor do que é hoje, a medicina será tambem muito avançada, haverá mais doenças, mas também muitas maneiras de curá-las.

 Em relação à população, esta terá mais problemas de colesterol e obesidade, pois haverá máquinas a fazer quase tudo por nós.

 O Planeta, em si, estará praticamente igual. É verdade! Poderão estar a pensar:” Como é possível a Terra não estar perto do fim ou com o ambiente pesado e a atmosfera estragada?” Mas não. Apenas mudará ligeiramente o clima nos países. Em Portugal, por exemplo, haverá mais tornados e na América menos; haverá também mais chuva, mas nada como o “Fim do Mundo”. No futuro, o ambiente vai-se habituando e acho que o Planeta Terra irá superando lentamente as mudanças. Ficaremos a pensar “ Olha, se é assim, não é preciso fazer reciclagem nem nada parecido!”. Mas poderemos sempre ajudar para não deixar o Planeta fazer tudo sozinho. Agora, se sei que tudo isto vai acontecer,  não sei, mas pressinto que sim.
David Cruz, Nº9, 8ºC



Portugal associa-se ao Dia das Livrarias
A ideia é espanhola e visa, com a extensão a Portugal, dar força às livrarias, sobretudo as de mais pequena dimensão. Pó dos Livros, GATAfunho e Assírio & Alvim são algumas das participantes.

Cerca de uma dezena de livrarias portuguesas associou-se esta sexta-feira ao Dia das Livrarias, evento organizado em Espanha e que se estende a Portugal por iniciativa da Fundação José Saramago e do movimento Encontro Livreiro.
A extensão da ideia espanhola para Portugal é, segundo a fundação, incentivar as livrarias, sobretudo as independentes e as de mais pequena dimensão, a terem mais visitantes, "contrariando a tão real crise que leva tantos a temer o fecho iminente desses espaços de cultura".
O movimento Encontro Livreiro, por seu lado, dá conta, no seu site, de pelo menos uma dezena de livrarias a associarem-se ao evento, entre as quais a Fonte das Letras, de Montemor-o-Novo, a Pó dos Livros, GATAfunho e Assírio & Alvim, de Lisboa, a Traga-Mundos, de Vila Real, e a centenária Livraria Esperança, do Funchal. Pode ver a lista completa aqui ou aqui.
Em Portugal, o Dia das Livrarias acontece na data em que morreram os escritores Fernando Pessoa (30 de Novembro de 1935) e Fernando Assis Pacheco (30 de Novembro de 1995).
Em Espanha, é a segunda vez que a Associação de Livrarias e o Colégio de Escritores organizam o Dia das Livrarias, para dar a conhecer "o prazer pela leitura e pelos livros", e para os livreiros mostrarem aos visitantes "os livros que precisam e também os que eles desconhecem que precisam".

A ideia é recordar "a função social e cultural" de uma livraria na sociedade, lê-se no manifesto espanhol.
O Encontro Livreiro é um movimento de livreiros e pessoas ligadas ao mundo do livro que reflectem, com regularidade, sobre o livro, as livrarias e a promoção da leitura.